Quando ao apagar das luzes do ano de 1.969, a nave espacial Apolo XI – levando a bordo Neil Armstrong desenhando sua rota, pousou na lua aboliu as incertezas desta duvidosa façanha elevando-o ao status de “primeiro homem a pisar na lua”; Aqui, nesta terra de Cabral uma tradicional empresa de mudanças vivia o ápice de sua mensagem comercial tagarelando que: “Enquanto o mundo gira a Lusitana roda”.

Este universo de gente esquisita, com um caminhar augusto e sublime beirando o caos da paixão aproveitou o gancho e não se cansa de esparramar que: “Enquanto o mundo gira os peregrinos caminham” – quase sempre respirando a intimidade e beleza da mais pura e intocável natureza, degustando o sabor do desconhecido, cruzando comunidades, vilas, vilarejos, pequenas e médias cidades, cuja lembrança nos toca o coração pela excelência e simplicidade do acolhimento. Colocamos na mochila do aprendizado a história, a cultura e a gastronomia dos mais desconhecidos sítios. Seguimos colecionando amigos, somando irmãos, multiplicando conhecimentos, dividindo experiências, contando e ouvindo uma enormidade de contos e causos.

Ao abrigo do sol – como se estivesse ligado a um condão mágico, sentou-se protegido por um bambuzal com a arquitetura de um corredor que exalava o laivo de uma essência divina. Em pleno estado “cristocêntrico”, totalmente desquitado da vida terrena observava os enigmas e a mansidão da represa que a natureza lhe oferecia.

Abriu a bastilha invisível e como um néscio sentou-se ao seu lado.

Passaram-se tantos minutos, que quase preencheram a hora tomados por total silêncio.

Virou-se e disse:

__Conhece a história de São Boaventura?

__Não.

__Teólogo – viveu no século XIII – após ter sido curado por São Francisco ingressou na Ordem Franciscana e dedicou-se a fazer o bem.

Lendo sua biografia aprendi sobre as três formas para olharmos o mundo e desenvolver o alcance de nossa percepção.

Olhar material – um olhar físico, limitado, enxerga só o que aparece.

Olhar racional – um olhar refinado, analítico, profundo e científico.

Olhar contemplativo – um olhar em comunhão com a natureza, um olhar com sentimento, ver além- ver o que não se enxerga.

Ao cabo de alguns minutos levantou-se, colocou em sua mochila um punhado de intimidade com as incertezas da vida e em silêncio retomou a marcha.

Fonte: Tribuna de São Pedro