Desde a Idade Média, o Caminho de Santiago de Compostela é uma das maiores rotas de peregrinação do Ocidente, estendendo-se por toda a Península Ibérica até a cidade de Compostela, na Espanha.

Acredita-se que no Caminho esteja sepultado Tiago, filho de Zebedeu e Salomé. Conforme a lenda, após a crucificação de Jesus Cristo, os apóstolos se dispensaram pelo mundo. Tiago foi pregar em regiões da Espanha. Ao retomar à Palestina, foi preso e dacapitado a mando de Herodes, no ano de 44. Seu corpo foi jogado para fora das muralhas de Jerusalém.

Dois de deus discípulos, Teodoro e Atanásio, recolheram seus restos e os levaram de volta ao Ocidente de navio, que aportou na antiga cidade de Iria Flávia, na costa oeste espanhola. O corpo foi sepultado secretamente no de o bosque Libredón.

O lugar ficou esquecido até que, oito séculos depois, aproximadamente em 813, um ermitão chamado Pelágio começou a observar um outro fenômeno que ocorria no lugar: uma chuva de estrelas caia todas as noites sobre um ponto no bosque, com luminosidade intensa.

Avisado das luzes, o bispo de Iria Flávia, Teodomiro, ordenou que fossem feitas escavações. No local foi encontrado um jazigo com o nome do Apóstolo Tiago. A notícia se espalhou e pessoas começaram a se deslocar para lá, a fim de conhecer o sepulcro, originando o Caminho de Santiago de Compostela.

O Caminho, estão, consolidou-se como um dos três centros de peregrinação cristã na Europa, junto com Jerusalém e Roma. Por todos esses séculos, a Catedral de Santiago de Compostela passou por um série de ampliações arquitetônicas.

São centenas de contruções civis, militares e obras medievais como castelos, mosteiros, catedrais góticas, românicas, cidades amuralhadas e antigas aldeias celtas.

O Jubileu Apostólico ou Ano Santo Compostelano foi criado pelo Papa Calixto em 1221. Desde então, toda vez em que o dia consagrado a São Tiago –  25 de julho -, quando seus restos mortais foram encontrados cai em um domingo, este ano torna-se particular, com bençãos especiais e privilégios especiais aos peregrinos.

O Brasil é o terceiro país em número de peregrinos que fazem o Caminho de Santiago de Compostela. A popularização do Caminho espanhol no Brasil teve como fator decisivo a criação, em 1995, da Associação de Confrades Amigos do Caminho de Santiago de Compostela-Brasil, com sede em São Paulo, a primeira entidade do gênero na América Latina.

O primeiro registro oficial sobre os caminhos dos peregrinos compostelanos consta no ano de 1131. Desde então, pessoas do mundo todo partem para a Espanha em busca de autoconhecimento, além de apreciar a milenar arquitetura espanhola.

Em 1993, o Caminho de Santiago de Compostela foi declarado Patrimônio da Humanidade por Decreto da Unesco, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.