Cada vez que o sol se põe e a lua com sua luz prateada surge para nos visitar, é sinal que já demos mais alguns milhares de passos seguindo adiante caminhando, sorrindo, colecionando causos e aprendendo muitas e proveitosas lições de vida ministradas por estes valorosos caminhantes que nos honram ao deixar suas marcas ao longo deste caminhodemeudeus.

Cada grupo é um grupo – por fora tudo igual – mochila nas costas, cajado nas mãos, boné na cabeça, calçado nos pés e um enorme frio na barriga – parecem iguais, mas são absolutamente diferentes – cada um carregando suas alegrias, tristezas, defeitos, qualidades e lembranças de um passado que ainda está passando e planejando um futuro que já começou.

Trazem consigo esperanças, ansiedade, expectativas, dúvidas, perguntas, determinação, medo, coragem, fé, perseverança, sonhos e pesadelos que vão destilando pelo caminho afora e reinventando um novo ser – uma nova criatura, para vestir esta nova vida.

Cada um do seu jeito e com seu jeito se ajeita no colo deste caminho  mãe – tal qual o recém parido se encaixa nos desenhos do corpo materno.

E como sempre acontece este grupo de desconhecidos e íntimos caminhantes seguia vencendo a si mesmos e derrotando quilômetros. Como pode tantas diferenças serem iguais?

Por que peças diferentes e heterogêneas se encaixam na harmonia de um grande quebra cabeça?

Quase ao final da jornada percebem um mundo diferente – simples -de muitas descobertas e pouco conforto – um hiato entre o que quase foram e o que pretendem ser.

Toca o celular do jovem peregrino que veio ao caminho para repensar sua carreira profissional – porque seduzido pelo convite para assumir uma importante posição em uma multinacional da siderurgia indiana – havia pedido demissão e não sabia bem qual caminho seguir, pois esta atitude significaria seu afastamento da namorada que ainda estava cursando o 2º ano da faculdade de medicina.

__Alô!

__Oi amor – tenho uma coisa super legal para te contar – estamos grávidos.

__O que?

__Estamos gravidíssimos.

Branco, atônito e com a voz trêmula virou-se para seus companheiros e disse:

__Minha namorada vai ter um filho e eu um colapso!

Fonte: Tribuna de São Pedro