Parada obrigatória dos peregrinos
14 de julho de 2015
Pelas trilhas de Compostela
20 de julho de 2015
Exibir tudo

Move & Comove

A confusão entre andar e caminhar sempre está presente na mochila dos futuros peregrinos.

Da mesma forma – muitas pessoas que habitam a geografia deste universo cósmico entendem que romaria e peregrinação são um só corpo – seres que andam babando de fadiga e de calor!

Na verdade são iguais – mas diferentes! 

Ambas abastecidas pela fé e determinação – possuem motivações específicas e razões absolutas.
O primeiro tem como objetivo chegar a uma das centenas de centros religiosos que no Brasil levam milhares e milhares de romeiros à Basílica Nossa Senhora Aparecida, à Pirapora do Bom Jesus, à Festa do Círio de Nazaré, à Juazeiro do Norte – ao “Padim” Padre Cícero e à uma infinidade de outros destinos religiosos.
As peregrinações à Santiago de Compostela, à Via Francígenna até Jerusalém e à Assis são as mais conhecidas.

Diferentemente do peregrino, a grande maioria dos romeiros faz o percurso para pagar uma promessa e agradecer uma graça alcançada, muitos o fazem com grande sacrifício físico – carregando pesadas cruzes de madeira.

Via de regra a romaria é realizada em grupo, muitos com estrutura de apoio e cozinha de campanha.
Para escapar dos rigores do sol escaldante, ou para antecipar a chegada ao destino seguem caminhando noite adentro descansando e fazendo suas refeições em postos de gasolina, praças, chácaras ou fazendas que tradicionalmente os recebem de forma extremamente carinhosa.
O romeiro quer chegar – o peregrino quer estar!

Aí reside a grande diferença – a caminhada do peregrino é contemplativa, às vezes portando um silêncio abismal. O óxido do tempo, os favores fáceis, a simplicidade, o acolhimento e a fé – vão moldando a arquitetura de um novo ser.
Porém ambos de movem dando um passo de cada vez e com uma crítica estética se comovem diante das confissões de humildade e das palavras repetidas no espelho do corpo.

Fonte: Tribuna de São Pedro

Veja também

José Palma
José Palma
José Palma, pisciano — nasceu no dia oito de março de 1950 — descobriu que fraternidade era muito mais que uma palavra quando em 1996, realizou o Caminho de Santiago. Empresário, resolveu mudar sua vida após retornar de seu Caminho. Simplificar a rotina e aliviar o peso de sua mochila — uma mudança fácil de planejar e complexa de se executar. Idealizou o Caminho do Sol e desde sua inauguração, dedica-se integralmente ao Caminho e caminhantes. Nesta simbiose, vive intensamente as experiências e o aprendizado de cada peregrino. Continuar sonhando sonhos impossíveis e um dia conseguir tocar o inacessível chão, fazem parte de sua luta, onde a regra é não ceder e sim fazer do “Amor um Vencedor”.

2 Comentários

  1. Jorge Gómez sanchez disse:

    Palma, conversamos por e-mail há algum tempo , eu fiz o caminho em 2005, e depois dele já fiz diversos caminhos de Santiago na España e Franca.
    Estava com vontade de fazer o caminho do sol de novo para matar saudades e, eventualmente, interagir e conversar com potenciais futuros peregrinos que estão começando como eu há 15anos.
    Vc me recomendou que falasse com a Fátima mandei diversos e-mails para ela, mas ela não me respondeu. Queria começar dia 12/5, de Santana de paraiba, deve ter um grupo grande nesse dia por causa dos feriados.
    Nao preciso de credencial nem diploma já tenho os da primeira vez, queria só participar para matar saudades.

    É possível ?

    Grato,

    JORGE GOMEZ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *